Bloqueador de Selecao

domingo, 15 de outubro de 2017

A GENTE VAI FICANDO...


Há fases da vida em que, sem perceber, a gente simplesmente sobrevive.
Alguma coisa não está boa o bastante, razoável o suficiente, transparente decentemente, mas a voz cala aquilo que o coração grita.
A gente vai ficando...
Fica por medo, por cansaço, por acomodação, por culpa, por preguiça, por crença e, principalmente, por delegar tudo ao tempo.
Acontece que, num determinado momento, somos pegos com a sensação de que o tempo não melhora, não vigora, não reconstitui nada. O tempo, inclusive, deteriora.
Pessoas não mudam de postura, de caráter e de valores com o tempo.
Situações não se modificam com o tempo.
O nocivo não deixa de ser veneno com o tempo.
O tempo revela, se impõe, desnuda.
O tempo descredita, desobriga, desama, desdobra e desamarra.
O tempo é aliado somente para bons alunos.
Ele não é capaz de corrigir a rota, mudar a tripulação e o roteiro da viagem.
O tempo se incumbe de apresentar os mapas, os diagnósticos, os roteiros de onde já se visitou, mas ele não fala, não cala, não interfere para quem não se permite um novo olhar, novo patamar, novo exemplar de si mesmo.
A única pessoa que o tempo é capaz de melhorar é você mesmo.
Não delegue.
Não entregue.
Não permita.
PERMITA-SE olhar para o tempo!
O tempo mandou avisar que há tempo para tempo de se aprimorar.



(Cláudia Dornelles)


sábado, 7 de outubro de 2017

RELAÇÕES AFETIVAS.


As relações afetivas estão passando por profundas transformações e 
revolucionando o conceito de amor.
O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos
modernos, na qual exista individualidade,  respeito,  alegria e prazer
de estar junto e não mais uma relação de dependência,  em que  um
responsabiliza o outro pelo seu bem-estar.
A  ideia  de  uma pessoa ser o remédio para a nossa felicidade,   que
nasceu com o romantismo, está fadada a desaparecer. 
O  amor  romântico  parte da premissa de que somos uma  fração  e
precisamos  encontrar  nossa  outra   metade   para   nos   sentirmos
completos.
A palavra de ordem deste século é parceria.
Estamos trocando o amor de necessidade, pelo amor de desejo.
Eu  gosto  e  desejo a companhia, mas não preciso,  o que  é   muito
diferente.
Com  o  avanço  tecnológico,  que  exige mais tempo individual,  as
pessoas estão perdendo o pavor de ficar sozinhas,  e aprendendo  a
conviver melhor consigo mesmas.
Elas  estão  começando a perceber que se sentem fração,  mas  são
inteiras. O outro, com o qual se estabelece um elo, também se sente
uma fração. É um companheiro de viagem.
Estamos entrando na era da individualidade,  o que nada tem a ver
com egoísmo.
O egoísta não tem energia própria;  ele se alimenta da energia  que 
vem do outro, seja ela financeira ou moral.
A nova forma de amor, ou mais amor, tem nova feição e significado.
Visa a aproximação de dois inteiros, e não a união de duas metades.
A solidão é boa, ficar sozinho não é vergonhoso.
As boas relações afetivas são muito parecidas com o ficar sozinho,
ninguém exige nada de ninguém e ambos crescem.
Relações de dominação e de concessões exageradas são coisas  do
século passado.
Na solidão, o indivíduo entende que a harmonia e a paz de espírito
só podem ser encontradas dentro dele mesmo,  e  não  a  partir  do
outro.
O amor de duas pessoas inteiras é bem mais saudável.
Nesse tipo de ligação há o aconchego, o prazer da companhia e  o
respeito pelo ser amado.

                                                                                                 (Flávio Gikovate).


domingo, 24 de setembro de 2017

OS BURACOS DE NOSSOS CAMINHOS.


                                                      (Andrei Belichenko e Maria Boohtiyarova)


Se pensarmos na vida como um longo caminho, podemos fazer analogias interessantes. A começar pelos tão comentados obstáculos que temos de aprender a ultrapassar ao longo dos anos. Uns maiores, outros menores,  cada qual traz consigo seu nível de dificuldade, suas consequentes dores e seus preciosos aprendizados.

Mas hoje quero falar, sobretudo, dos buracos. Alguns rasos, outros nem tanto. 
E existem também aqueles que, de tão profundos, quando caímos neles costumamos usar a expressão "cheguei ao fundo do poço!".

É claro que ninguém gosta de cair em buracos. Por menores e mais rasos que sejam, no mínimo nos desestruturam e nos fazem perder o "rebolado". 

Os buracos vão existir pra sempre. A diferença entre quem está consciente de si e de seu caminho e quem não está, é que o primeiro vai saber evitar o tombo, desviando a tempo do buraco, ou, pelo menos, levantar, sair dele e seguir em frente mais rapidamente e, tomara, menos machucado.

Podemos perceber, com a repetição de nossas quedas, que muitos dos buracos de nossos caminhos são incrivelmente parecidos, justamente porque a função deles é nos ensinar a mais difícil de todas as lições. Portanto, se sua lição mais difícil é aprender a ser menos teimoso, ou menos ansioso, ou menos inseguro, ou menos desconfiado, note bem: toda vez que você se distrai ou acelera o passo mais do que deveria, cai num buraco em que parece já ter caído inúmeras vezes antes. Não é o mesmo! É outro! É novo! Ele se repete à frente para que você acorde e, a cada queda, consiga levantar com mais habilidade e seguir em frente não reclamando e se lamentando por ter caído mais uma vez; não se criticando e se culpando por ter sido estúpido novamente. Não! Não  há nenhuma estupidez na repetição do aprendizado, mas sim vivência, privilégio e sabedoria.

Assim, se você está agora no chão, se acabou de cair num buraco do seu caminho, não se sinta uma vítima e sim um escolhido pelo Universo para se tornar mais forte e mais preparado.
Erga-se, mesmo doendo.
Saia do buraco, mesmo chorando.
E dê um passo à frente, e depois outro e outro, com a certeza de que pode ir bem mais longe...
Outros buracos virão. Novas cicatrizes ficarão cravadas em sua alma. E tudo isso será a prova de que você não veio como espectador e nem como coadjuvante de sua história. Você veio como protagonista e vai chegar até o fim com a dignidade de quem não apenas cumpriu o seu destino, mas o esculpiu com coragem, fé e atitude.


(Rosana Braga).



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...